O Abismo Anhumas em Bonito

Depois de tanta beleza, chegou a hora de muita, muita adrenalina. Sem deixar a beleza de lado! Hora de entrar por uma fenda apertada, descer um pouco pendurado em cordas fazendo rapel e dar de cara com imenso salão de uma caverna que tem o fundo cheio de água cristalina e azul.

Na descida de rapel, os 75 metros são de contemplação e encantamento.

O passeio começa na noite anterior ao passeio. Todos que vão ao Abismo Anhumas participam de um treinamento de rapel. O que mais pega é aprender a subir pelas cordas, que é o único jeito de voltar à superfície ao final do passeio. É a atração de Bonito que mais exige preparo físico.

O treinamento não é complicado. Cada um desce 9 metros de rapel duas vezes e sobe de volta para aprender o movimento de subida. Claro que mesmo com o treinamento rola uma apreensão. Tudo normal!

O caminho de Bonito até o Abismo Anhumas tem cerca de 14 kms de estrada de terra que está sendo pavimentada e é cercada por fazendas com bois. Esse caminho é o mesmo da Gruta do Lago Azul, mas fica um pouco mais distante.

Chegando lá, no meio da mata fechada, estão a fenda e a estrutura do rapel. Interessante que em todo momento há preocupação de causar o menor impacto possível ao meio ambiente.

Hora de chegar perto e ver a fenda onde desce o rapel. A sensação nesse momento passa por curiosidade, apreensão, ansiedade e para alguns um pouco de claustrofobia por ter que passar apertado entre pedras. Para respirar e curtir o lugar antes de descer, aconselho andar até a outra plataforma que leva a um mirante com uma “boca” de entrada maior. Desse mirante já dá para ter uma ideia melhor da altura do rapel.

Depois disso, não tem mais o que fazer. É colocar o equipamento de rapel, apertar aqui, ajustar ali e conferir as cordas. O abre e fecha dos mosquetões ditam o ritmo. A acelerada do coração indica a hora de prender a corda de segurança e ouvir o comando tranquilo de quem faz aquilo todos os dias: “pode sentar” e “pode tirar o pé do chão”!

Sem os pés no chão, já dentro da fenda, pendurado, é hora daquela foto com sorriso amarelo e sem graça. Começa a descida!

A partir desse momento é tentar relaxar e acostumar com o equipamento, o peso e a pressão das cordas. Depois dos primeiros momentos de aperto entre as rochas, já dá para ver o enorme salão com toda a formação e o fundo de água azul.

Familiarizado com o rapel, o momento foi de curtir o visual e reparar nos detalhes das formações.

Já na parte debaixo, passando da metade da descida, o ideal é olhar para cima e constatar como é alto e bonito!

Nessa hora, duas coisas vem à cabeça. A primeira é a curiosidade de saber o que tem embaixo daquela água azul e a segunda é como será para subir de volta os 75 metros de rapel. Mas enquanto pensamos nisso chegamos na plataforma sobre a água.

Na plataforma 2, pode-se tirar a cadeirinha do rapel e fazer algumas imagens na escuridão da caverna. Entre dezembro e fevereiro o sol entra pela “boca” da caverna ficando mais bonito e fácil de captar as imagens lá de dentro.

Depois de alguns cliques, fomos para o outro lado da plataforma para subir em um pequeno bote inflável que dá  um giro completo pelo lago reparando atentamente nas formações e dando boas risadas com a palhaçada dos guias.

O passeio ainda não acabou. Hora de colocar a roupa de neoprene, a máscara de mergulho, botinhas e pegar as lanternas. É isso mesmo, o passeio inclui uma flutuação no lago azul do fundo do Abismo ou um mergulho com cilindro, se você já tiver feito curso de mergulho antes e optar por pagar um pouco a mais.

Ao colocar a cabeça dentro da água gelada do lago azul, a impressão é de estar em outro planeta, outra dimensão, parece coisa de filme. O azul vai ficando mais intenso quanto mais fundo. O cenário é impressionante, uma descoberta a cada ponto iluminado pela pequena lanterna. A formação está presente no fundo do lago de forma diferente e a iluminação influencia o jeito de ver cada canto. A única companhia que temos embaixo d`água são poucos lambaris que ninguém sabe como chegaram ali.

Ao chegar de volta à plataforma, tiramos o neoprene e demos um mergulho para dar uma “ligada” e sentir a verdadeira temperatura da água.

Com o passeio chegando ao fim, falta a parte que considero a mais difícil, a subida.

Bom, a subida exige coordenação, força nas pernas e uma coisa que ninguém fala, mas que é importante que é ter a cabeça boa.

Coordenação e força nos pés porque são o segredo do movimento de subida com as cordas. Já a força mental vale como numa corrida longa, faz com que você fique motivado, não pense em desistir e não fique pensando que falta muito.

Ainda é tempo de curtir o visual nos intervalos de descanso.

Chegar na parte estreita da fenda há 70 metros do chão já é animador e colocar o pé na superficie é a vitória. Como escrito nas camisetas do Abismo “Eu sobrevivi!”



14 comments

  1. Mauricio Oliveira 18 maio, 2011 at 11:31 Responder

    IRADO o seu relato!!! Eu optei por não descer. Apesar de estar em boa forma fisica, senti dores no joelho após o treinamento. Para não estragar a viagem, optei por não fazer esse passeio.

    Agora a meta é voltar lá e realizar esse sonho. E qro mergulhar tb, claro! 😀

  2. Barbara Ferragini 18 maio, 2011 at 11:35 Responder

    O passeio é realmente incrível Márcio. Eu, que sempre fui medrosa com altura e principalmente locais fechados e tals por conta de um pouco de claustrofobia, enfrentei o medo e decidi me superar. Foi maravilhoso. Fui na época certa, como vc mesmo disse, em que o sol bate e reflete lindamente lá embaixo. Foi o melhor passeio da minha vida. Adrenalina, emoção e contemplação à natureza. Fantástico. Isso é Bonito-MS.

  3. Luiz Octavio Campos 19 maio, 2011 at 16:47 Responder

    A descida de rapel no Abismo Anhumas nos dá a sensação de estar viajando ao centro da Terra. Formações de espeleotemas e cones submersos naquela água cristalina são belezas raras. Excelente matéria. Valeu Marcio – abs

  4. Fernanda 31 janeiro, 2012 at 14:26 Responder

    Estou com viagem marcada para Bonito agora no carnaval e estou com receio do quanto isto demanda de força física. Tem que ser atleta para fazê-lo? Além disso, tenho uma amiga que está com medo de pagar o passeio e amarelar na hora… Estou tentando convencê-la de que vale a pena e peço ajuda com argumentos! Agradeço se puder ajudar!

    • ajanelalaranja 31 janeiro, 2012 at 22:00 Responder

      Se eu falar que não exige físico vou estar mentindo. Mas tudo depende se a pessoa esta acostumada com esporte, se esta acima do peso.

      Mas vcs passaram por um treinamento e avaliacao um dia antes. La vao sentir se conseguem ou nao.

      Depois passa aqui para nos contar!

      Abs!
      Marcio

  5. GILBERTO 8 junho, 2012 at 11:39 Responder

    realmente incrivel. costumo viajar muito por esse brasilzão, e o abismo anhumas foi sem duvida a maior emoção que pude vivenciar. trabalho muito bem feito por toda equipe e aquela vontade enorme de voltar. abraço

Deixe seu Comentário

×Fechar