Boca da Onça, Rapel e Trilha perto de Bonito

Para começar arrebentando com a série de posts de Bonito! Meu primeiro passeio foi na Boca da Onça. Comecei com adrenalina lá em cima, porque ao chegar na fazenda e depois de um rápido café, fui aprender e treinar rapel. O passeio tem 2 opções. Uma é começar pelo rapel e depois fazer uma trilha de 3 kms em 3 horas e a outra é ir direto para a trilha.  Eu escolhi a opção completa.

Pouco tempo depois já estava familiarizado com os mosquetões e cordas do treinamento do rapel. O grupo foi para a caçamba de um pequeno caminhão que anda uns 2 quilômetros para nos deixar perto da plataforma de onde o rapel é feito.

Ao chegar na plataforma é hora de conhecer o vale do rio Salobra e ter uma idéia da altura do rapel. É muito alto e o vale é lindo. Alias é o rapel de plataforma mais alto do Brasil. Dá uma olhada na foto. A ideia é chegar naquela plataforma que fica muito pequena olhando lá de cima. Hora de ajustar, prender e amarrar tudo. E eu além de prestar atenção na preparação do rapel pensei nos cliques do antes e depois.

Chega a hora de respirar fundo, pisar na borda da plataforma a 90 metros de altur e começar a descida. Devagar, ajeitando as coisas e começando a curtir o vento no rosto e o visual.

Além da altura e da distância do paredão, uma coisa deixa a descida um pouco mais tensa: os urubus em volta. Bem que podiam ser araras, né? Essa foi a brincadeira lá na hora.

A parte boa é o visual da cachoeira de 130 metros que dá para ver depois de descer alguns metros no rapel. Aquele spray de água deixa o paredão ainda mais lindo. Após curtir mais um pouco acelerei a descida e pensei onde seria interessante ficar para clicar o pessoal que faria o rapel depois que eu desci.

No chão, hora de fotografar e esperar o grupo para começar a caminhada.

Caminhada que tem como primeira parada a cachoeira que dá nome a fazenda e a cachoeira. A Boca da Onça. Olha a imagem abaixo para entender o porquê desse nome.

A cachoeira exuberante de 156 metros estava com volume de água incrível. Havia chovido um dia antes do passeio, o que ajudou a aumentar esse volume. Hora de aproveitar a piscina natural que é formada no pé da cachoeira.

Nessa hora entendi na prática o significado de “Lavar a alma” quando mergulhei na água gelada e cristalina depois do rapel com muito calor.

Depois de curtir a cachoeira, encaramos a trilha. Em um caminho gostoso perto da margem do rio Salobra, vamos andando até a próxima cachoeira, com a câmera na mão e atento às aves.

A trilha é intensa e com bastante subida. O bom é chegar em cada uma das 9 cachoeiras que fazem parte do caminho. Em 3 delas é possível dar um mergulho. Veja algumas imagens delas.

Depois de andar muito, fotografar e nadar, todo mundo queria saber do almoço.

Na sede da fazenda, que é chamada de receptivo, um fogão a lenha mantém as panelas de ferro com comida caseira quente. A comida é feita com ingredientes da própria fazenda: a salada orgânica e a carne é do boi que pasta ali no quintal. Para quem é de cidade grande como eu, isso faz toda a diferença.

O endereço da Boca da Onça é Rodovia MS-178 (Bodoquena/Bonito, km 26) – em pavimentação.

O preço do passeio com Rapel + Trilha + Almoço sai por R$303,00

O site é www.bocadaonca.com.br

Acompanhe os demais posts de Bonito.



23 comments

  1. Carla 6 maio, 2011 at 18:15 Responder

    Lindo passeio e belas fotos. As cachoeiras são muito lindas mesmo… Em breve faremos esse passeio. Ficarei de olho por aqui para aproveitar todas suas dicas. Obrigada por compartilhar…
    Boas Viagens!

  2. Daniel Pacios 8 maio, 2011 at 06:37 Responder

    Ficou muito legal essa materia da Boca da Onça. Eu e a Ester ficamos uma semana lá em Bonito também no Hostel, e vou te confessar que não deu tempo pra conhecer tudo. Todo cidadão brasileiro deveria ter a oportunidade de conhecer essa cidade. Abs!!!

  3. Daniel Pacios 8 maio, 2011 at 06:46 Responder

    Quanto ao Rio da Prata, vou confessar que presenciei um dos melhores dias da minha vida de contato junto a natureza. Locais como este cada vez mais nos mostram a necessidade de preservamos o meio ambiente. Abs!!!

  4. Fábio 10 maio, 2011 at 00:57 Responder

    parabéns pelo blog, matéria mt interessante, ja fiz esse passeio, quem nunca foi vale a pena conferir!!! dpois de caminhar algumas horas na trilha, paradas em algumas cachoeiras para banho, principalmente na cachoeira “boca da onça”, ter q subir uma escada com +- 900 degraus, o almoço feito no fogão a lenha sem comentários mt bom, vale a pena fazer o passeio. só lembrando q a cidade de Bonito fica no estado de mato grosso do Sul. abçs

  5. Angela Wirth 10 maio, 2011 at 10:22 Responder

    A nossa maior realização é saber que quem esteve na Boca da Ónça tenha passado um dia ótimo, feliz e que tenha curtido o passeio, a natureza e a maravilhosa paisagem da Serra da Bodoquena.
    um grande abraço,
    Angela e equipe da Boca da Onça

  6. Lena 10 maio, 2011 at 18:33 Responder

    Que ´lindo, Márcio!
    A Boca do Onça também foi um dos passeios que escolhi quando fui a Bonito alguns anos atrás. Só que sem rapel! Muita adrenalina para o meu gosto! Morro de medo de desmaiar lá em cima! Mas a minha trilha terminava com a subida de uma escada de 800 degraus! Vocês foram pelo lado oposto? E esta foto linda da Boca da Onça, você tirou quando estava descendo o rapel ou foi com zoom mesmo? Ficou bárbara! Não me lembrava desta imagem 😉

Deixe seu Comentário

×Fechar