Bruxelas, chocolates, moules-frites e o Delirium Café

225
0

Atualizado em 15/01/2015

O quinto dia do nosso roteiro pela Bélgica para visitar e tomar as cervejarias trapistas foi reservado para Bruxelas e todas as coisas boas que tem para fazer por lá! Andamos pelo centro, fizemos compras, comemos e compramos chocolate, é claro, fomos ao Delirium Café.

Se nunca foi à Bruxelas, comece pela Grand Place, que é a principal praça e considerada uma das mais bonitas do mundo. Com prédios do século XII com estilo Gótico, foi inscrita em 1998 na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO. Passe lá de dia e volte a noite, para vê-la iluminada.

Grand Place

Aproveite a proximidade e ande até a Galeries St. Hubert. Construída em 1847 é uma atração obrigatória de Bruxelas. Vá com tempo para curtir sua arquitetura, seus cafés e lojas. Agradeça pela viagem na Catedral de Saints Michael & Gudule que não está em todos os guias mas merece ser visitada.

GALERIA ST HUBERT

CATHEDRAL OF SAINTS MICHAEL & GUDULE

O símbolo e atração super visitada da cidade pode te decepcionar pelo tamanho, porque tem apenas 60 centímetros… mas você tem que ir até o cantinho onde fica a estátua do Manneken Pis, para conferir. Muito se fala da história da pequena estátua. O certo é que o “Garoto a Urinar”, isso mesmo, essa é a tradução do nome da estátua, é super famoso em toda a Europa e foi colocada lá no ano de 1619.

Então passa lá para ter a sua fotografia do menino. Não se assuste se ele estiver vestido. É um costume vestir o menino de acordo com a estação do ano.

MANNEKEN PIS

Depois de rodar pela região é hora de comer o tradicional moules-frites, mexilhões com batatas fritas.

Alerta e dica importante para as refeições em Bruxelas!

Existem muitos restaurantes “pega-turista” ao lado da Grand Place. Não caia no papo dos garçons, que ficam na rua tentando capturar os turistas.

Em uma outra viagem, tive que brigar muito para não pagar quatro vezes o que foi combinado na rua com um desses garçons.

Para os Moules-Frites, minha dica é a seguinte: vá ao Léon de Bruxelas, que é um restaurante bem tradicional, tem mais de 100 anos e muitas unidades na Bélgica e França.

Os mexilhões clássicos chegam na panela e você abre as conchas com as mãos para comer. É uma experiência interessante e bem belga. Se você não gosta de frutos do mar, é fácil encontrar outras opções no cardápio. O Léon fica na rue des Bouchers, 18.

No final do dia fomos ao Delirium Café, o pub que está no Guinness Book por ter a maior carta de cervejas do mundo. São mais de 2 mil cervejas à disposição

O Delirium é sim muito turístico, com gente do mundo todo, o que faz a atmosfera ficar ainda mais interessante. Aproveite a oportunidade para experimentar cervejas que não são encontradas facilmente.

Eu fiquei no BBB (bom, bonito e barato) e bem localizado Hotel ibis Brussels off Grand’ Place. Ele fica pertinho da Grand Place e dá para chegar a pé da estação central.

Entenda o roteiro para visitar as cervejarias trapistas na Bélgica. Leia os posts abaixo.

Quem foi e onde fomos? Entenda nossa viagem!

Primeiro dia, chegamos em Frankfurt e fomos beber e dormir em Dusseldorf.

Segundo dia, pela manhã visitamos e experimentamos as cervejas na Achel, abadia de “Saint-Benedictus”, em Hamont-Achel, Bélgica. 

Segundo dia a tarde, tomamos as oito cervejas produzidas pela La Trappe no restaurante do próprio monastério, na Holanda. 

Segundo dia a noite, chegamos na Antuérpia e fomos ao Kulminator, o melhor bar do mundo para tomar cervejas safradas.

Terceiro dia pela manhã, almoçamos no restaurante da Westmalle.

Terceiro dia a tarde, tomamos as desejadas Westvleteren no restaurante em frente ao monastério.

Quarto dia pela manhã, andamos pelo centro de Poperinge e conhecemos o museu do lúpulo.

Quarto dia a tarde, almoçamos na cervejaria De Halve Maan em Bruges.

Quinto dia, Bruxelas, chocolates, moules-frites e muitas cervejas no Delirium Café.

Sexto dia, um mergulho no mundo da Chimay, visitamos o monastério, a fábrica, almoçamos e dormimos no Auberge de Ponteaupré, que é a hospedaria oficial da Chimay.

No sétimo dia pela manhã, conhecemos o monastério mais bonito e imponente de todos, abadia Notre-Dame d`Orval, onde é produzida a saborosa Orval.

Sétimo dia a tarde e nossa última parada, conhecemos a Rochefort e jantamos na cidade.

Mais dicas para sua viagem!

Não viaje sem Seguro de Viagem! Faça o seu clicando aqui!

Reserve seu hotel pelo Booking, não há cobrança de taxa extra nas reservas. E,  na maioria dos casos, o cancelamento é grátis. Aproveite!

Siga nosso Instagram e veja antes as imagens das nossas viagens! 

Assine nosso canal no YouTube! Clique aqui



Deixe seu Comentário

×Fechar