Roteiro para três dias em Buenos Aires

416
0

Atualizado em 25/11/2019

No nosso roteiro de três dias em Buenos Aires propomos que o primeiro dia seja igual ao do roteiro de fim de semana, no segundo e terceiro dia separamos os bairros de Palermo e Recoleta com todas as suas atrações, com cada bairro em um dia.

> Veja também: Buenos Aires mês a mês. Veja o que aproveitar de melhor em cada época do ano!

> Confira: Buenos Aires, muito mais que tango e futebol!

Então como você viu lá no primeiro dia você terá visitado a Praça de Mayo e a Casa Rosada, depois viu toda a beleza da Manzana de las Luces, já tirou foto no Obelisco e visitou as livrarias da Avenida Corrientes e também visitou a Mafalda lá.

Também já viu a arquitetura do período do apogeu nos tribunais e todo o encanto do Teatro Colón, foi da boemia e ruas estreitas do bairro La Boca, andando pelo Caminito a toda imponência do Porto Madero. E, por fim, viu o artesanato, os bares e os antiquários de San Telmo.

Para três dias além das atrações e pontos turísticos do roteiro de um dia ou do final de semana, vale a pena acrescentar o Jardim Japonês, o Zoológico, a Biblioteca Nacional, Museu de Arte Latino Americano de Buenos Aires (MALBA) e alguns outros pontos nos bairros da Recoleta e Palermo.


> Uma Argentina escreveu dicas dos melhores hotéis para ficar em BUENOS AIRES!


> Compare o preço e alugue seu carro nas melhores locadoras!

Bairro Norte e Recoleta: símbolos de Buenos Aires

O Bairro Norte é um bairro vizinho à Recoleta e é lá que começaremos nosso segundo dia. Este dia de visita o melhor é fazer caminhando, o trajeto tem cerca de dois quilômetros, mas vou propor visitas em todo o caminho, então você não irá caminhar mais do que cinco quadras sem ter algo a visitar.

As praças e os edifícios do bairro também fazem a caminhada mais uma atração no nosso roteiro de Buenos Aires. Então comecemos nosso passeio!!

Na esquina da Avenida Córdoba com a Rua Rio Bamba está o Museu da Água, o museu é a antiga caixa de água da cidade de Buenos Aires. A entrada fica na Rua Rio Bamba a uma quadra da estação Callao da estação Callao da linha verde D do metrô.

A edificação circunda todo o espaço onde se armazenava a água e foi construído no ano de 1894, o prédio que abriga o museu é o Palácio das Águas Corrientes. Lá fontes, bidês, relógios antigos de medição de água estão expostos.

A visitação é das nove da manhã até às cinco da tarde, com um intervalo entre as treze e catorze horas, o museu fecha na hora do almoço. Se você prefere as visitas guiadas não necessita agendamento e acontecem as segundas, quartas e sextas-feiras às onze da manhã.

De lá nós iremos visitar a livraria El Ateneo, a mais conhecida livraria argentina. Mas no caminho podemos fazer mais uma parada na história argentina.

Você andará duas quadras pela Rua Rio Bamba, no sentido contrário ao que estão vindo os carros. O Museu da Água está no número 750 e no número 985 você encontrará a Casa Nacional do Bicentenário.

A Casa é comemorativa aos duzentos anos da independência da Argentina, além de um acervo permanente, a casa tem muitas atividades de difusão da cultura argentina, com shows e exposições.

Saindo da Casa do Bicentenário, continuamos nossa caminhada ao Ateneo, você continuará andando mais uma quadra no mesmo sentido, chegando à Avenida Santa Fé, vire à direita, na metade desta quadra no número 1860 está a livraria.

A visita à livraria vale não somente para ver livros. O edifício onde está a livraria foi um importante teatro da cidade e toda a estrutura foi mantida.

As antigas galerias hoje abrigam sessões de livros, na plateia do térreo ficam as sessões mais relacionadas com a Argentina, estando literatura, artes e ciências sociais aí no térreo.

O principal de um teatro é o palco e ele também foi mantido, inclusive com sua cortina. O que funciona lá hoje em dia é um café, de onde você tem vista para toda a livraria.

Saindo da livraria continuaremos nossa caminhada no mesmo sentido pela Avenida Santa Fé, a terceira rua, a Montevidéu (em espanhol Montevideo, assim vai estar na placa) vire à esquerda, na quadra seguinte estará a Praça Vicente Lopez com duas plazoletas junto, a melhor tradução para plazoleta seria pracinha.

Esse conjunto das três praças tem restaurantes e cafés em volta e é um ponto de encontro dos próprios moradores da Recoleta. O bairro é muito tradicional e qualquer portenho que more aí vai te dizer com orgulho que mora na Recoleta.

Aproveite para uma pausa em seu roteiro de Buenos Aires para apreciar a cidade com suas gigantescas praças e para conhecer um pouco mais da cultura argentina. Saia da praça pela Rua de mesmo nome da praça, a Vicente Lopez, caminhe duas quadras no mesmo sentido dos carros e chegaremos à Avenida Callao, atravesse a avenida e na metade da quadra no número 1542 estará outro museu, o Notarial.

Notarial seria o mesmo que notas para nós, mas estas notas se referem aos cartórios e tabeliães, com um acervo riquíssimo de documentos e a história argentina o museu conta também com espaço lúdico para crianças.

Voltando para a Rua Vicente Lopez caminharemos mais duas quadras e já estaremos no entorno do Cemitério da Recoleta. Nessa região tem tanta coisa para visitar que ficaremos uma tarde inteira por aí.

Esta na verdade é a menor praça de um complexo com cinco praças cortadas por uma avenida larguíssima, com as calçadas lotadas de bares e restaurantes. Desde brounch até jantar são múltiplas as opções de comida, na esquina em frente à entrada do Cemitério está uma das lojas da mais tradicional sorveteria (heladeria em espanhol), a Freddo com sabores que vão dos mais tradicionais aos super exóticos.

Entrando à direita pela Rua Junin que nesta parte é um boulevard vamos ao nosso primeiro e mais famoso ponto do turístico do bairro, o Cemitério da Recoleta. O Cemitério é considerado o segundo mais bonito do mundo e é um museu a céu aberto, destaque para o Mausoléu de Eva Perón, a Evita, a mais famosa figura histórica do país.

Saindo do cemitério ao lado encontraremos a Paróquia do Pilar, a Basílica foi construída em 1829 e tem uma programação que inclui missas, celebrações e corais desde as oito e meia da manhã até as vinte três horas.

Ao lado da paróquia está o Centro Cultural Recoleta, o foco principal do centro é a inovação artística, principalmente produzida por adolescentes e jovens, uma boa oportunidade de ver o que nossos hermanos pensam e produz de arte.

Seguindo nosso caminho ao lado do Centro Cultural há um pequeno shopping com alguns restaurantes que tem sacadas com vista do alto, daí dá para ver o porto, uma grande avenida e o sobe e desce dos aviões que chegam ao Aeroparque (aeroporto muito próximo do centro de Buenos Aires).

Para sair do shopping utilize a saída oposta a qual você entrou, não tem erro é um corredor só o shopping.

Quando sair do shopping você estará na Praça Francia (assim que se escreve França em espanhol). Eu diria que dentre tantas lindas praças, esta é a mais linda da cidade, ela foi feita em um morro, então de cima é possível sentar e admirar uma linda paisagem, vale a pena fazer uma foto.

De cada um dos lados da praça estão o Museu Nacional e a Biblioteca Nacional. O edifício da Biblioteca é um prédio todo em vidro que parece suspenso no ar.

Já no Museu Nacional, você pode encontrar coleções desde a Ásia antiga e o período pré-colonial até a atualidade, tudo dividido em sessões. O museu funciona todos os dias até às vinte horas e as sextas feiras se estende até às vinte e duas.

> Compre um Chip Internacional e fique conectado a viagem toda!

Palermo, um pedaço da Itália em Buenos Aires

O roteiro de Buenos Aires no nosso segundo dia também pode ser feito caminhando, do mesmo modo que visitamos a Recoleta com muitos pontos durante a caminhada podemos fazer o mesmo pelo bairro de Palermo.

O bairro tem esse nome em homenagem à cidade italiana de mesmo nome. O bairro concentrou por muitos anos um grande fluxo de migração italiana, então não há lugar melhor para começar nossa caminhada do que a Praça Itália.

Bastante diferente do nosso roteiro do dia anterior, a caminhada por Palermo vale a pena pelos seus inúmeros restaurantes, cafés e sorveterias. O bairro de Buenos Aires também tem muitos outlets de marcas internacionais e argentinas.

Então aqui vou deixar uma rota saindo a Praça Itália que tem a estação de metrô de mesmo nome na linha verde D, até a estação Malabia da linha vermelha, B do metrô.

Saindo da estação você verá o Jardim Botânico argentino, um misto de esculturas de arte misturadas com a flora típica região compensam a visita.

Para sair do Botânico utilize a saída da Avenida Las Heras, andando uma quadra pela Rua Lanifur você encontrará o Museu Evita com a história, documentos e objetos pessoais dela.

Mesas para fora em Palermo, Buenos Aires.

Na saída volte para Avenida Las Heras e percorra a lateral do parque pela Avenida República Arabe Siria chegar na Avenida Santa Fé, desde este ponto vamos rumo a Praça Armênia, tanta pela Rua Malabia quanto a Rua Armênia você chegará lá, no caminho como comentei muitos restaurantes, cafés e lojas de outlet.

São cinco quadras até a Praça Armênia, lá não deixe de provar os crepes de uma creperia que são deliciosos, são cerca de cinquenta sabores entre salgados e doces.

Subindo mais cinco quadras você chegará a Avenida Córdoba, neste caminho vale ir fazendo zigue-zague as paralelas e travessas também estão cheia do melhor do bairro.

Já na Avenida Córdoba estão os principais outlets, Levis, Nike e outras renomadas marcas argentinas tem suas lojas nesta região. O que mais vale a pena comprar por lá são as jaquetas, bolsas, carteiras e sapatos de couro, é muito mais barato que no Brasil.

Fim do dia, sacola cheia e um hasta pronto para Buenos Aires.

> O seguro de viajem ideal: Aproveite a nossa promoção!

Além do Roteiro de Buenos Aires, veja dicas de hotéis em Palermo!

Começamos com as dicas de Hostel para quem vai de mochila ou não pretende gastar muito com a hospedagem:

Hostel Suites Palermo –  Esse Hostel da HI fica numa mansão e é um bom exemplo de albergue que dá para dormir tranquilo sem aquela barulheira e em quarto privativo. São 11 deles. Uma boa opção para casais que querem privacidade mas não querem gastar muito. É até estranho falar sobre albergue que não tem balada e é tranquilo, mas esse é o caso do Suites Palermo. Importante o Wi-Fi é grátis nas áreas comuns.

Quem quer pagar um pouco mais nossas sugestões são:

Kala Petit Hotel – Um casarão que virou hotel, essa é uma definição razoável para o Kala. A piscina, a churrasqueira e até a cozinha fica disponíveis para os hóspedes, os quartos não são luxuosos mas são agradáveis e os banheiros em alguns casos são compartilhados. Essa é uma opção interessante quando pensamos em custo x benefício.

Palermo Viejo B&B – Essa é nossa indicação para quem vai as compras na Avenida Córdoba. Fica pertinho de lá. O Palermo Viejo tem um bom café da manhã, Wi-Fi grátis e os quartos são decorados com arte e cores diferentes. Todos tem frigobar, cofre e banheiro.

Para quem quer ficar muito bem e pode pagar mais, não deixe de pesquisar essa sugestão aqui:

Nuss Buenos Aires Soho – O Nuss é para quem procura por atendimento personalizado e super atencioso, quartos muito bem decorados, sauna, piscina e academia de primeira. Para fechar o pacote o Nuss é muito bem localizado.

> Compre, agora mesmo, a sua passagem com descontos especiais!

Confira, ainda, mais atrações em Buenos Aires:

> Conheça o MALBA em Buenos Aires

> Sua visita ao cemitério da Recoleta nunca mais será a mesma!

> Visite a Plaza de Mayo às quintas-feiras!

> Museu dos Beatles em Buenos Aires

> 5 passeios para fazer em Buenos Aires no feriado.

> O que fazer na Recoleta em Buenos Aires

> O que ver no centro de Buenos Aires

> Qual melhor show de tango em Buenos Aires?

> Onde ficar em Palermo, Buenos Aires

> Buenos Aires de bicicleta elétrica

> Buenos Aires a noite, vá para os bares de Palermo

> Fim de semana em Buenos Aires, um vídeo com dicas!

> Marriott Plaza Buenos Aires



Deixe seu Comentário

×Fechar